A descoberta do mundo
Clarice Lispector por Aracy Balabanian


Clarice Lispector escreveu certa vez que se sentia um pouco como se estivesse vendendo a alma quando escrevia crônicas, pois trabalhar na imprensa assinando o seu nome deixava-a mais exposta. Mas mesmo sentindo-se um pouco sem jeito de vender "uma parte de sua alma", era com o maior prazer que falava dos seus sentimentos, respondia às cartas de amigos e leitores, ou comentava o fato mais recente. Ela discorria sobre uma infinidade de assuntos de um modo que provocava nos seus leitores um excesso de amor. Amor pela palavra, pela vida, pelo simples prazer de descobrir o mundo através do outro.
Teresa Montero

CD 1

  • Medo do desconhecido
  • A vidente
  • As caridades odiosas
  • A descoberta do mundo
  • A surpresa
  • Lição de filho
  • Persona
  • A volta ao natural (trecho)
  • Banhos de mar
  • Liberdade
  • O nascimento do prazer (trecho)
  • Enigma
  • O que é o que é
  • Quase
  • Liberdade(2)
  • Uma pergunta
  • O homem imortal
  • Saudade
  • Uma experiência

    CD 2

  • Familiaridade
  • "Precisa-se"
  • Angina pectoris da alma
  • Se eu fosse eu
  • Meu natal
  • O milagre das folhas
  • Conversa puxa conversa à toa
  • Encarnação involuntária
  • Das vantagens de ser bobo
  • Dez anos
  • A tempestade de 18 de março, domingo
  • O ato gratuito
  • Para acabar de "fundir a cuca"
  • Dois meninos
  • Comer
  • Diálogo do desconhecido