Rubem Braga
contos por Edson Celulari


Do meu terraço, vejo o terraço de Rubem Braga. As plantas que ele plantou já são floresta. Que eu olho sempre como se ele ainda estivesse ali, diante da máquina, desdobrando o fio sutil das suas crônicas. Ninguém escreveu tão bem sobre os pequenos momentos, as mulheres que não se possuem, o olhar que se pousa sobre o outro, o doce trânsito do imaginário. Olho o terraço e escuto, na voz de Celulari, o sabiá da crônica voltar a cantar.
Marina Colasanti

  • Um pé de milho
  • Alomoço mineiro
  • Viúva na praia
  • Louvação
  • Em Roma, durante a guerra
  • Visita de uma senhora do bairro
  • Luto na família Silva
  • Sizinando, a vida é triste
  • Meu ideal seria escrever
  • Lembrança de um braço direito
  • A nenhuma chamarás Aldebarã
  • Homem do mar
  • A companhia dos amigos
  • O recado ao senhor 903
  • A casa
  • A primeira mulher do Nunes
  • Mar