Lima Barreto
contos por Pedro Paulo Rangel


Policarpo Quaresma, Clara dos Anjos, o homem que sabia javanês, bichos, feiras e mafuás da tradição suburbana do Rio de Janeiro, a pintura de nossa paisagem humana e social saltam das páginas dos textos de Lima Barreto para o cotidiano do brasileiro, caracterizado por frouxos limites entre real e absurdo, o trágico e o riso, ficção e razão. A arte de Pedro Paulo Rangel conhece a sutileza desses limites e sua voz alcança o equilíbrio do riso vazado de melancolia, da racionalidade contaminada pela imaginação, das certezas que anunciam o fracasso. Lima Barreto provoca-nos a reflexão sobre a difícil tarefa do artista e do intelectual, e sua palavra - que dogmática ou libertadora - pode revelar o caráter bizarro, criativo ou opressor de nossa realidade. Atuar como equilibrista entre os impasses da cultura brasileira torna-se o desafio para o intelectual porque a palavra é o delicado suspeito fio que os une.
Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo

CD I

  • A cartomante
  • O homem que sabia javanês
  • Lívia
  • Clara dos Anjos

    CD II

  • Um especialista
  • O número da sepultura
  • Um e outro